A Mioterapia é um método especial de terapia manual que tem como principal objetivo a diminuição da tensão e dor muscular, auxiliando na correção da postura, conforto corporal, diminuição do estresse e na otimização da performance atlética. Sua aplicação é executada em macas, sempre de maneira confortável e relaxante, não havendo necessidade do cliente se despir. É recomendado o uso de roupas confortáveis.
Tem resultados diferenciados das técnicas similares, porque trata de maneira eficaz e duradoura os Trigger Points (Pontos-Gatilho) e os Tender Points (Pontos-Sensíveis), responsáveis pela chamada Síndrome Dolorosa Miofascial, muitas vezes confundida com a Síndrome da Fibromialgia, por possuírem alguns sinais e sintomas parecidos.
O método da Mioterapia foi sintetizado e sistematizado a partir da experiência clínica de Ulisses Gama Cubas da Silva, Quiropraxista e Fisioterapeuta, que atua há mais de nove anos na área de Ortopedia, Reumatologia e problemas relacionados à coluna vertebral.

PONTO-GATILHO (Trigger Point)

  • São extremamente comuns
  • Podem provocar dor local ou referida
  • Estando presentes, causam a diminuição da ADM, mesmo não provocando dor
  • Contribuem para alterações posturais
  • Muito conhecido pelos profissionais da área da saúde
  • Poucos são os profissionais da saúde que sabem lidar com os mesmos
  • Podem ser miofasciais ou não-miofasciais
  • Os miofasciais são os mais comuns
  • O músculo esquelético é responsável por quase 50% do peso corporal
  • São num total aproximado de 200 pares, ou seja, 400 músculos que podem apresentar os Pontos-gatilho causando dor e disfunção motora

HISTÓRIA

  • Adler (1900) – Reumatismo muscular
  • Gowers (1904) – Fibrosite
  • Schade (1919) – Miogelose
  • Travell (1952) – Ponto-gatilho Miofascial, dor referida de 32 padrões
  • Travell e Simons (1983) – Vol. 1 Manual dos Pontos-gatilho
  • Travell e Simons (1992) – Vol. 2 Manual dos Pontos-gatilho



Michael Gutstein (Good) – Polônia
  • 12 artigos entre 1938 e 1957
  • Pontos miálgicos
  • Constrição vascular local pela superatividade das fibras simpáticas dos mesmos


Michael Kelly
– Austrália
  • 12 artigos entre 1941 e 1963
  • Fibrosite
  • Distúrbio funcional neurológico de origem miálgica, causador de dor referida


Janet Travell (1901-1997)
– EUA
  • 40 artigos entre 1942 e 1990
  • Ponto-gatilho miofascial
  • Mecanismo de retroalimentação entre os Pontos-gatilho e o SNC
  • 1952 definiu padrão de dor para 32 músculos, o que foi considerado “a gênese miofascial da dor”
  • 1983 – Vol. 1 do Manual dos Pontos-gatilho
  • 1992 – Vol. 2 do Manual dos Pontos-gatilho

Drª Janet Travell

DEFINIÇÃO

“Ponto hiper-irritável palpável na musculatura esquelética associado a um nódulo palpável hipersensível em uma banda tensa. O ponto é doloroso na compressão e pode originar as características de dor referida, sensibilidade referida, disfunção motora e fenômenos autonômicos”.

Travell & Simons

TIPOS DE PONTOS-GATILHO

1) PONTO-GATILHO MIOFASCIAL
  • PG central: localizado no centro das fibras musculares; associado as placas terminais disfuncionais
  • PG de inserção: localizado na junção musculotendínea e/ou na êntese muscular
  • PG ativo: provoca dor espontânea e sensação de franqueza, limita o alongamento do músculo, e ao ser pressionado produz dor na sua zona de referência
  • PG latente: não provoca dor espontânea, mas sendo pressionado pode produzir dor na sua zona de referência e/ou local, ou não
  • PG primário ou principal: geralmente ativado de forma direta por sobrecarga aguda ou crônica ou por uso excessivo e/ou repetitivo. É o responsável pela ativação dos PG satélites
  • PG satélite: é ativado pela ação do PG primário por uma ligação neurogênica, antagonismo a um músculo com tensão aumentada ou sinérgico sobrecarregado

2) PONTO-GATILHO NÃO MIOFASCIAL
  • Fasciais
  • Tendíneos
  • Ligamentares
  • Cápsulares
  • Cicatriciais
  • Cutâneos
  • Periosteais

Segundo o Vol. 1 do Manual de Pontos-gatilho, SIMONS, TRAVELL & SIMONS 2ª edição, página 52: “A razão para a sensibilização dos nociceptores nesses pontos (não-miofasciais) precisa ser esclarecida...”

CARACTERÍSTICAS

  • Banda tensa
  • Nódulo sensível
  • Resposta contrátil local
  • Aumento da temperatura local
  • Sinais sensoriais referidos
  • ADM diminuída
  • Contração dolorosa
  • Sensação de franqueza

  • 85% destes tem referência de dor ao menos parcial para região distal
  • 48% tem referência somente para região distal
  • 20% tem referências tanto mediais como distais
  • 10% tem referências no próprio local
  • Apenas 5% tem referência medial
Eletromiografia de superfície:
  • Resposta aumentada
  • Fadiga aumentada
  • Recuperação retardada
  • Relaxamento retardado

TRIGGER POINT X TENDER POINT

  • Ponto-Gatilho ao ser pressionado manifesta os sintomas referidos
  • Pontos sensíveis ao serem pressionados referem apenas dor local
  • Pode-se qualificar estes pontos sensíveis como PG latentes, que em uma situação de estresse adicional manifestara também os sintomas característicos
  • São tratados através das mesmas técnicas

MAPAS REFERÊNCIAS TRIGGER POINTS




TRATAMENTO

  • Avaliar a causa primária
  • Restaurar e manter a saúde do músculo
  • PG em crises agudas não tratado, podem se tornar PG latentes, podem ser ativado por diversos fatores
  • Síndrome da Dor Miofascial devido a Pontos-gatilho

FIBROMIALGIA

  • Dor e sensibilidade em 11 dos 18 pontos
  • Fadiga
  • Sono não-reparador
  • Rigidez matinal
  • Não existe anormalidade muscular
  • Hipótese de deficiência de serotonina
  • Anormalmente sensíveis em quase todo corpo
  • 72% dos casos apresentam PG ativos

MORFOLOGIA MUSCULAR

  • Músculo
  • Fascículo muscular
  • Fibra muscular
  • Miofibrilas: seqüência de Sarcômeros
  • Sarcômeros: Actina, Miosina, Complexo Troponina/Tropomiosina
  • Sarcolema: membrana que envolve a fibra muscular
  • Sarcoplasma: matriz intracelular onde há grande concentração mitocondrial (ATP)
  • Retículo Sarcoplasmático: abriga as bolsas de Ca++

Fibra muscular:

Miofibrila: formada por 1500 filamentos de Miosina e 3000 filamentos de Actina

Filamentos de MIOSINA:

Filamentos de ACTINA:
Actina – formada por duplo filamento de actina
Tropomiosina – filamento que se espirala em torno da Actina, recobre os sítios ativos quando em repouso
Troponina – molécula protéica composta por 3 subunidades de proteínas (Troponina I, Troponina T e Troponina C)

CONTRAÇÃO MUSCULAR

  • Potencial de ação placa terminal motora
  • Liberação de Acetilcolina
  • Potencial de ação percorre o Sarcolema, Túbulos T e o Retículo Sarcoplasmático
  • Liberação de Ca++ que se liga a Troponina e expõe os sítios ativos da Actina a cabeça da Miosina (pontes cruzadas)
  • Ocorre então a força de deslocamento pelo sistema de catraca

PLACAS TERMINAIS MOTORAS

  • Unidade motora: conjunto de fibras musculares inervadas por um motoneurônio
  • Local da junção neuromuscular
  • Presença de pequenos feixes neurovasculares
  • Patofisiologia dos Pontos-gatilho


HIPÓTESES SOBRE PONTOS-GATILHO

1) COMPONENTE DA CRISE DE ENERGIA
  • Atividade contrátil sustentada dos sarcômeros
  • Aumento demandas metabólicas
  • Compressão pequenos feixes neurovasculares
  • Diminuição da nutrição e oxigenação da região
  • Crise local de energia
  • Falha na recaptação de Ca++ para o retículo sarcoplasmático (transporte ativo)
  • Pela presença do Ca++ no sarcômero, ocorre a perpetuação da sua atividade contrátil, completando assim o círculo vicioso
  • Em conseqüência disto, é estimulada a produção de substâncias vasorreativas que sensibilizam os nociceptores locais

2) NEUROPÁTICA
  • Neuropatia do nervo que serve o músculo afetado
  • Compressão dos nervos motores pode ativar e perpetuar a disfunção primária do PG na placa terminal motora

3) CICLO DOR-ESPASMO-DOR
  • Espasmo muscular focal provocando aumento da sensibilidade
  • Identificação do mesmo pelo SNC
  • Resposta de proteção com contração adicional, aumentando o espasmo e a dor, perpetuando assim o ciclo
  • Justificativa para as posições antálgicas nos casos de crises agudas

4) TECIDO CICATRICIAL FIBRÓTICO
  • A firmeza palpável dos tecidos no PG representa um tecido fibrótico (cicatriz)
  • Possível conseqüência da disfunção da placa terminal motora por longo período de tempo
  • Adaptação ao encurtamento do endomísio que reveste a fibra muscular

TÉCNICAS DE TRATAMENTO

  • Injeção do Ponto-gatilho
  • Spray e alongamento
  • Eletroterapia
  • TEM: relaxamento pós-isometria, inibição recíproca, contração-relaxamento
  • Técnicas posicionais: JONES / PRT
  • Massagem transversa profunda (CYRIAX)
  • Liberação miofascial por deslizamento profundo
  • Liberação por pressão

LIBERAÇÃO POR PRESSÃO

  • Libera os sarcômeros contraídos dos nós de contração no Ponto-gatilho (liberação de barreira)
  • Diferente do conceito de compressão isquêmica
  • Mais agradável ao paciente
  • Requer habilidade manual
  • O músculo e mantido no seu comprimento livre durante o processo

BONNIE PRUDEN

  • Especialista em condicionamento físico
  • Escreveu 19 livros sobre atividade física, programas TV e rádio
  • Teve grande influência nas mudança das atitudes americanas em relação a atividade física durante o governo do presidente Eisenhower (1953-1961)
  • Trabalhando com a Drª Janet Travell, antecipava a sua avaliação para o tratamento de Ponto-gatilho por injeção
  • Em 1976, ao identificar os Pontos-gatilho percebeu que poderia aliviar a dor do mesmo apenas com uma pressão digital, não havendo necessidade da injeção
  • A partir desta experiência, retomou seus estudos anatômicos e criou a chamada Myotherapy
  • Hoje, com mais de 90 anos, dirige o Instituto Bonnie Prudden Myotherapy e trabalha na sua autobiografia

Programa do Curso de MIOTERAPIA

NOMENCLATURA: Curso Formação em MIOTERAPIA

CARGA HORÁRIA: 30 horas

EMENTA: Generalidades, história, contração muscular, Trigger Point, Tender Point, aplicação técnica.

OBJETIVO: Apresentar ao aluno conhecimentos morfo-funcionais, biomecânicos, cinesiológicos e fisiológicos, segundo a visão da Mioterapia, da abordagem terapêutica manual do tratamento de Trigger e Tender Points, que lhes permitam enriquecer o seu poder de decisão terapêutica e modificação do comportamento cinético de um ou mais tecidos moles, periarticulares e suas estruturas adjacentes.


CONTEÚDO PROGRAMÁTICO:

Unidade I – Introdução

Unidade II – Histórico
2.1. Primeiros estudos
2.2. Janet Travell
2.3. Bonnie Pruden

Unidade III – Trigger Point (Ponto-Gatilho)
3.1. Definição
3.2. Ponto-Gatilho Miofascial Central
3.3. Ponto-Gatilho Miofascial de Inserção
3.4. Ponto-Gatilho Miofascial Ativo
3.5. Ponto-Gatilho Miofascial Latente
3.6. Ponto-Gatilho Miofascial Primário ou Principal
3.7. Ponto-Gatilho Miofascial Satélite
3.8. Ponto-Gatilho Não-miofascial

Unidade IV – Tender Point (Ponto-Sensível)
4.1. Definição
4.2. Tender Point e Trigger Point

Unidade V – Contração Muscular
5.1. Morfologia
5.2. Fisiologia

Unidade VI – Fisiopatologia
6.1. Teoria da Crise de Energia
6.2. Teoria Neuropática
6.3. Teoria co Ciclo Dor-Espasmo-Dor
6.4. Teoria do Tecido Cicatricial Fibrótico

Unidade VII – Técnicas de Desativação de Pontos-Gatilho
7.1. Injeção do Ponto-Gatilho
7.2. Spray e Alongamento
7.3. Eletroterapia
7.4. Contração Voluntária
7.5. Técnicas Indiretas – Jones e PRT
7.6. Fricção Transversa
7.7. Deslizamento Miofascial Profundo
7.8. Liberação por Pressão

Unidade VIII – Indicações
8.1. Síndrome Dolorosa Miofascial
8.2. Cefaléias
8.3. DTMs
8.4. Mialgias primárias e secundárias
8.5. Fibromialgia
8.6. Performance Esportiva

Unidade IX – Contra Indicações
9.1. Processo inflamatório agudo
9.2. Ulcerações cutâneas
9.3. Lesões músculo-tendíneas totais
9.4. Fraturas

Unidade X – Fases do Tratamento
10.1. Mapeamento de superfície
10.2. Busca exploratória
10.3. Liberação por Pressão

Unidade XI – Aplicação da Técnica de Compressão
11.1. Crânio
11.2. Face
11.3. Pescoço
11.4. Trapézio
11.5. Ombros
11.6. Escápula
11.7. Dorso
11.8. Lombar e pelve
11.9. Tórax anterior
11.10. Abdome
11.11. Pelve anterior
11.12. Membros superiores
11.13. Membros inferiores

Unidade XII – Aplicação da Técnica de Liberação por Posicionamento
12.1. Crânio
12.2. Face
12.3. Pescoço
12.4. Trapézio
12.5. Ombros
12.6. Escápula
12.7. Dorso
12.8. Lombar e pelve
12.9. Tórax anterior
12.10. Abdome
12.11. Pelve anterior
12.12. Membros superiores
12.13. Membros inferiores

Unidade XIII – Aplicação da Técnica de Fricção Transversa
13.1. Técnica para fibroses musculares
13.2. Técnica para tendões e ligamentos

Unidade XIV – Administração do tratamento

Unidade XV – Considerações Gerais
15.1. Biomecânica Ocupacional
15.2. Dinâmica Funcional
15.3. Ergonomia das atividades de vida diária
15.4. Ergonomia do posto de trabalho
15.5. Prevenção e Profilaxia